Reação de Crianças a Desastres – por Idade

A seguir são descreitas reações comuns em crianças após um desastre ou evento traumático.

Do nascimento até dois anos: crianças em idade pré-verbal que experimentam um trauma não consegue descrever o evento ou seus sentimentos. Entretanto, podem reter frações de memórias, sons ou cheiros. Os bebês podem reagir ao trauma, ficando irritados, chorando mais do que o habitual ou querendo ser segurado e acariciado. A maior influência sobre as crianças desta idade é a forma como os pais vão lidar com a situação. Como as crianças envelhecem, as reações poderão envolver elementos fora do contexto traumático ocorrido há vários anos no passado e que parece ter sido esquecido.

Idade Pré-escolar: de 3 a 6 anos. Crianças nesta fase muitas vezes se sentem indefesas e impotentes diante de um acontecimento impressionante. Devido à sua idade e tamanho, eles sentem-se incapazes de se proteger a si mesmas ou pessoas próximas. Como resultado, eles sentem intenso medo e insegurança sobre a separação dos responsáveis. As crianças nesta fase não concebem o conceito de perda permanente. Eles podem ver as consequências como sendo reversíveis ou constantes. Nas semanas seguintes a um evento traumático, algumas atividades  podem reviver o incidente ou a catástrofe sofrida.

Fase Escolar: de 7 a 10 anos. A criança nesta idade consegue compreender a permanência de perda. Algumas crianças tornam-se intensamente preocupados com os detalhes de um evento traumático e deseja falar sobre isso continuamente. Essa preocupação pode interferir com a concentração da criança na escola, refletindo-se na degradação do seu desempenho escolar. Na escola, as crianças podem ouvir informações incorretas dos seus amigos. Elas também podem exibir uma ampla gama de emoções, variando de tristeza, medo generalizado, ou medos específicos de que o desastre se repita, a culpa sobre a ação ou omissão durante o desastre, a raiva sobre não evitar o evento ou fantasias de se tornar um salvador.

Pré-adolescência para a adolescência: de 11 a 18 anos. Quando as crianças crescem, desenvolvem uma compreensão mais sofisticada de um desastre. Suas respostas são mais parecidas com a reação dos adultos. Os adolescentes podem envolver-se em situações de perigo ou comportamentos de risco, tais como a condução imprudente, álcool ou uso de drogas. Alguns pode desenvolver o medo de sair de casa e evitar os anteriores níveis de atividades. Grande parte da adolescência é focado em sair para o mundo. Após um trauma, a visão do mundo pode parecer mais perigoso e inseguro. Um adolescente pode sentir-se oprimido por emoções intensas e ainda se sente incapaz de discuti-los com os outros.

Fonte: FEMA – www.fema.gov

Tradução: Ricardo Giovenardi