Segurança: 55% elevarão gastos com compliance

Conforme levantamento da Ernst Young, apenas 6% planejam gastar menos no próximo ano

Mais da metade de grandes companhias, especificamente 55% delas, pretendem aumentar, nos próximos 12 meses, investimentos de forma moderada a significativa em compliance no total de custos de segurança da informação. A informação é de pesquisa da consultoria Ernst Young.

Conforme o levantamento, apenas 6% planejam gastar menos no próximo ano. O motivo: das empresas entrevistadas, 41% notaram um aumento nos ataques externos em seus sistemas, e 25% observaram aumento nos ataques internos – aqueles provocados por seus próprios funcionários, como abuso de privilégios e roubo e venda de informação.

No Brasil, a tendência é similar à observada no restante do mundo: os respondentes brasileiros destacaram aumento das ameaças, sejam elas de origem externa (ataques aos sites, phishing) e também o aumento de ataques internos (roubo de dados, abuso de privilégios, etc).

A pesquisa revelou que as compliances regulatórias também são prioridade para os líderes de segurança da informação e continuam a ser fator determinante para desenvolvimento do setor.

Implementar e aprimorar

Devido ao aumento da ocorrência de vazamento de dados, a proteção de informações está na vanguarda das prioridades. Implementar ou aprimorar tecnologias de prevenção a vazamento de dados é a segunda maior prioridade nos próximos 12 meses, destacada por 40% dos respondentes como um dos três temas centrais.

Uma das descobertas mais surpreendentes em nível global é de como poucas companhias estão criptografando dados dos laptops: apenas 41%. Isso impressiona pelo número de brechas que a perda ou roubo de laptops abre na segurança, pela facilidade e acessibilidade às tecnologias necessárias e pelo pequeno impacto ao usuário.

A pesquisa foi realizada com 1.900 empresários e diretores da área de comunicação de mais de 60 países.